Notícias

Alagoas e Espírito Santo assinam compromisso pelos direitos de mulheres detentas

out 01, 2015 ittc

Governos dos estados são os primeiros a assinar termo de compromisso de adesão à política nacional de atenção à mulheres privadas de liberdade

Florianópolis, 15/9/15 – Os estados de Alagoas e do Espírito Santo assinaram segunda-feira (14), em Florianópolis (SC), o  termo de compromisso à Política Nacional de Atenção às Mulheres em Situação de Privação de Liberdade do Sistema Prisional. A assinatura ocorreu durante a 4º Reunião entre o Departamento Penitenciário Nacional e o Conselho Nacional de Secretários de Justiça, Cidadania, Direitos Humanos e Administração Penitenciária (Consej).

Com a adesão, os dois Estados passam ser as primeiras unidades da federação a aderir à Política Nacional de Atenção às Mulheres em Situação de Privação de Liberdade e Egressas do Sistema Prisional (PNAMPE), instituída em 2014 por meio de portaria interministerial.

Com a adesão, os governos de Alagoas e Espírito Santo se comprometem a colaborar na elaboração e desenvolvimento de ações que visem ao oferecimento de condições de encarceramento adequado a mulheres detentas, bem como à garantia de direitos fundamentais a detentas, seus filhos e egressas, levando-se em conta as peculiaridades relativas a gênero, cor ou etnia, orientação sexual, idade, religiosidade, entre outros.3c2cbaf7-56c9-4331-9b8a-679db437c10b

Para a coordenadora do Projeto Mulheres do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), Rosângela Santa Rita, a assinatura do termo de compromisso representou um importante avanço na garantia de direitos básicos de mulheres detentas. “Nossa expectativa é de que, a partir de agora, outras unidades da federação também venham  a assinar o termo de compromisso”, ressalta.

PNAMPE – O governo federal, por meio do Ministério da Justiça e do Departamento Penitenciário Nacional, trabalha desde 2012 pela consolidação de uma política nacional de melhoria do encarceramento feminino no Brasil. A Política Nacional de Atenção às Mulheres em Situação de Privação de Liberdade e Egressas do Sistema Prisional é fruto desse esforço, tendo sido instituída com a participação de 11 ministérios.

A portaria define diretrizes, objetivos e metas de co-responsabilidade de gestão entre diversos órgãos, em consonância com as recomendações das Regras de Bangkok, normativa da Organização das Nações Unidas (ONU) para o tratamento de mulheres em situação de privação de liberdade.

——-
Fonte: Ministério da Justiça