Blog Notícias

Mais da metade das mulheres presas são vítimas de violência doméstica, diz pesquisa realizada no Reino Unido

jan 09, 2018 ittc

Mulheres presas na Inglaterra e País de Gales são normalmente vítimas de violações muito mais graves do que as que foram condenadas, alerta organização.

por May Bulman

Um relatório publicado no início do mês de dezembro mostra que 57% das mulheres presas sofreram algum tipo de violência doméstica, enquanto 53% passaram por abusos emocionais, físicos ou sexuais quando criança. 

Porém, a imagem não corresponde à toda história, de acordo com a Prison Reform Trust. As informações, retiradas de dados levantados pelo Ministério da Justiça, são estimativas muito abaixo da realidade porque muitas dessas mulheres temem revelar os abusos sofridos.

Uma pesquisa anterior realizada pela organização “Women in Prison” (Mulheres na prisão) mostra que 79% das mulheres que passaram pela organização relataram ter sofrido violência doméstica ou abuso sexual. Após a condução de grupos focais com mulheres que cometeram algum tipo de infração em resposta a comportamentos controladores e coercitivos de parceiros, pesquisadores encontraram fortes indícios entre mulheres que experienciaram abusos domésticos ou sexuais em relações abusivas e seus delitos.   

Eles alertam que esses abusos podem prender mulheres em um “ciclo vicioso de vitimização e atividades criminosas”, normalmente potencializada pela pobreza, dependência de substâncias ou saúde mental fragilizada, tendo um severo impacto em qualquer criança que seja dependente.

Muitas mulheres disseram que cometeram crimes em muitas ocasiões em diversos períodos de tempo para dar suporte ao uso de drogas de seus parceiros e suas atividades relacionadas a esse uso – incluindo furtos, venda de drogas e outros delitos não revelados – dizendo que se sentiam presas neste tipo de relação abusiva.

As mulheres disseram aos pesquisadores que elas sentiam que a polícia não possuía empatia ou mesmo as ajudava como vítimas de violência doméstica, e disseram ainda que não confiam na polícia para identificar os agressores, tão pouco para promover proteção. Algumas dessas mulheres relataram que foram repetidamente detidas pela polícia em incidentes de violência doméstica onde elas não foram as agressoras primárias, ou seja, quem provocou a agressão.

Pesquisas anteriores mostram que mulheres são mais propensas do que homens a cometerem infrações por seus relacionamentos ou por problemas financeiros. Quase metade das mulheres presas (48%) questionadas para o relatório da pesquisa do Surveying Prisioner Crime Reduction (SPCR) disseram que cometeram delitos para dar suporte à uma pessoa usuária de drogas, enquanto os homens presos ficaram em 22%.

Jenny Earle, diretora do programa de redução do encarceramento de mulheres, da organização Prison Reform Trust´s, afirma que já passou o tempo de uma ação imediata para ajudar a quebrar o ciclo de vitimização e crime. “Nossas recomendações foram desenvolvidas consultando mulheres que foram pessoalmente conduzidas a cometer crimes por seus parceiros violentos, e toda rede de suporte dessa violência”, ela disse. “Se implementada essas ações, todos nós veríamos uma redução da incidência do abuso doméstico e menos mulheres presas”.

A Prision Reform Trust  insiste em orientações específicas para garantir que as agências de justiça criminal, bem como os policiais, respondam adequadamente às mulheres que são vítimas ou sobreviventes de abuso doméstico. A organização diz ainda que existe um vácuo de orientações específicas, dentro do sistema legal, para dar uma resposta à essas mulheres suspeitas de cometerem crimes e que são vítimas de algum tipo de violência.

Embora a nova legislação reconheça a “coerção” como um fator atenuante para algumas ofensas, a instituição de caridade diz que o processo de sentença precisa estar melhor informado sobre o abuso doméstico e sexual e encará-los como fatores importantes para o crime das mulheres.

Surgiu no mês passado que a lei contra o “comportamento coercivo e de controle” não levou mais de 20 acusações pela metade das forças policiais da Inglaterra nos dois anos desde que foi promulgada.

O relatório conclui: “O Ministério do Interior e o Ministério da Justiça devem trabalhar em estreita colaboração e, em consulta com o governo galesa, para garantir que a próxima estratégia das mulheres infratoras aborda a extensão em que a violência doméstica e sexual e o abuso sustentam a experiência de vida de muitas mulheres infratoras e incluem expectativas claras sobre as agências de justiça criminal para melhorar suas respostas às mulheres.

“A polícia, as autoridades judiciais, os serviços de liberdade condicional e os tribunais devem adotar a prática de um inquérito apropriado e rotineiro considerando as histórias de violência doméstica e sexual das mulheres em cada etapa do processo de justiça criminal para assegurar uma tomada de decisão informada e respostas proporcionais”.

Dawn Butler MP, Secretária de Estado das Mulheres e Igualdade da Mulher do Trabalho, respondeu ao relatório dizendo: “Como um magistrado vi de primeira mão, quão valentes as mulheres tinham que se envolver no sistema de justiça criminal. Fiquei frustrado com a falta de apoio que poderíamos oferecer e, como o serviço de liberdade condicional foi retirado, esse apoio tornou-se quase inexistente para serviços focados nas mulheres. Romper o ciclo de abuso e ofensa leva inteligência emocional e um compromisso do governo “.

Um porta-voz do governo disse: “Estamos empenhados em fazer tudo o que pudermos para abordar questões em torno de mulheres ofendidas para que possamos oferecer uma reabilitação mais efetiva e responder melhor às complexas necessidades dos infratores que foram vítimas de abuso doméstico.

“Em breve estabelecemos nossa estratégia para mulheres infratores, para melhorar os resultados das mulheres na comunidade e custódia. Entre outras coisas, este importante trabalho irá analisar a forma como podemos melhorar os serviços disponíveis na comunidade para que possamos reduzir o crime.

“O enfrentamento do abuso doméstico é uma prioridade fundamental para este governo e também estaremos publicando um projeto de lei de violência doméstica e abuso contra a terra para proteger e apoiar as vítimas, reconhecer o impacto da vida desses crimes sobre as crianças e assegurar que as agências respondam de forma eficaz”.


Esse artigo é uma tradução livre do artigo: http://www.independent.co.uk/news/uk/home-news/female-prisoners-women-prison-domestic-violence-victims-more-than-half-prison-reform-trust-report-a8089841.html