Na imagem há uma menina e um menino agachados lendo um livro, na arte também há um ícone de um livro aberto e o título direitos humanos é assunto de criança
Blog Notícias

Direitos humanos é assunto de criança

mar 01, 2018 ittc

Com linguagem adaptada e mostrando a vida de crianças de diversas culturas, literatura aproxima público infantil da discussão sobre direitos humanos

Temas como migração, refúgio, conflitos religiosos e guerras são geralmente listados como assuntos para “gente grande”, o que impede, muitas vezes, que o público infantil entenda os diversos marcos históricos e o contexto político atual.

A complexidade dos temas ganha um novo olhar para as crianças por meio dos livros infantis. Adaptando a história da jovem Malala, contando a história de crianças em zonas de guerra, recontando os contos de fadas com traços do folclore brasileiro. Muitos foram os caminhos escolhidos pelas autoras e autores, que escolheram a literatura para educar de forma lúdica.

O ITTC acredita que a educação para a cidadania é uma das formas de evitar retrocessos e garantir direitos. Para incentivar esse processo de formação e o desenvolvimento das crianças, trouxemos uma lista com livros infantis que trabalham com temáticas discutidas em direitos humanos.

Confira a lista abaixo:

  • Malala – A menina que queria ir para a escola

Por Adriana Carranca

Sinopse: No primeiro livro-reportagem destinado ao público infantil, a jornalista Adriana Carranca relata às crianças a história da adolescente paquistanesa Malala Yousafzai, baleada por membros do Talibã aos 14 anos por defender a educação feminina. Na obra, a repórter traz suas percepções sobre o vale do Swat, a história da região e a definição dos termos mais importantes para entender a vida dessa menina tão corajosa.

  • A história de Júlia e sua sombra de menino

Por Christian Bruel

Sinopse: A obra conta a trajetória de uma garota que, de tanto ouvir seus pais dizerem que tinha jeito de menino e que se comportava como tal, um dia percebe que sua sombra se transformara, ficando com o formato de um menino. O julgamento, que começa em casa, vira um fardo para Júlia. Triste e sem entender muito bem o que acontece consigo mesma, a garota passa a questionar sua própria identidade e a se perguntar se é preciso mudar seu jeito para se livrar do estigma e ser aceita por todos. Escrito em versos e com argumentos sensíveis, o livro propõe ao jovem leitor uma reflexão sobre as diferenças, o preconceito e a importância do respeito entre as pessoas. O volume tem capa dura e acabamento diferenciado.

  • O mundo no black power de Tayó

Por Kiusam de Oliveira

Sinopse: Tayó é uma menina negra que tem orgulho do cabelo crespo com penteado black power, e o enfeita das mais diversas formas. A autora apresenta uma personagem cheia de autoestima, capaz de enfrentar as agressões dos colegas de classe, que dizem que seu cabelo é “ruim”. Mas como pode ser ruim um cabelo “fofo, lindo e cheiroso”? “Vocês estão com dor de cotovelo porque não podem carregar o mundo nos cabelos”, responde a garota para os colegas. Com essa narrativa, a autora transforma o enorme cabelo crespo de Tayó numa metáfora para a riqueza cultural de um povo e para a riqueza da imaginação de uma menina sadia.

  • Um outro país para Azzi

Por Sarah Garland

Sinopse: A partir do olhar da menina Azzi, este livro retrata uma família do Oriente Médio que se vê obrigada a fugir quando a guerra começa a afetar sua rotina. “Às vezes, o barulho das metralhadoras nos helicópteros era tão alto que as galinhas ficavam assustadas e paravam de botar ovos”, conta a protagonista, nessa narrativa ricamente ilustrada, revelando sua perspectiva da aproximação do conflito. Apesar das dificuldades que se impõem na travessia da sua família para um novo país, desde a fome, o frio e a sede que sentiu, passando pela preocupação com o bem-estar dos pais, até a saudade da avó, que permanece no país antigo para cuidar da casa, Azzi encara a situação como uma aventura e acaba descobrindo sentimentos que não conhecia, como a solidariedade e a esperança. Inspirada por algumas famílias de refugiados da Birmânia e do Butão que encontrou na Nova Zelândia, a autora estudou as memórias daqueles que precisaram fugir ou foram exilados de seus países e pesquisou detalhes com professores e especialistas em leis de imigração e direitos humanos para contar uma história universal de mudança e adaptação.

  • A esperança é uma menina que vende frutas

Por Amrita Das

Sinopse: “Viajando de trem para uma cidade grande, uma garota sobe em seu beliche, silenciosa, mas com olhos que parecem dizer muitas coisas, e permanece ali, sem comida e companhia.” É com essa recordação que Amrita Das inicia este livro, resultado de uma oficina de texto e ilustração que cursou em Chennai, na Índia. Como uma das mais importantes representantes da arte folclórica indiana chamada mithila, a artista aproveita este espaço para falar sobre as dificuldades de uma infância pobre, a vida das mulheres na Índia e a luta pela liberdade em uma sociedade patriarcal, entre outros assuntos que, de uma forma ou de outra, dizem respeito a todos nós. Por meio de belas palavras e imagens, ela apresenta sua história e dissemina um pouco da esperança que parece acompanhar sua arte.

  • Martin e Rosa

Por Raphaële Frier, Zaü

Sinopse: Em 1955, no sul dos Estados Unidos, os ônibus ainda separam negros e brancos. Uma mulher discreta chamada Rosa Parks ousa desafiar essa segregação. Pregando a não violência, Martin Luther King expande o protesto pela igualdade. Ao lado de milhares de insurgentes, Rosa e Martin caminham, denunciam e conseguem modificar a lei. Do grande sonho de Martin e Rosa à eleição de Barack Obama, uma esperança se delineia: o desabrochar de todas as cores da humanidade! Com um texto cativante e belamente ilustrado, Martin e Rosa narra uma das histórias mais poderosas e revolucionárias do século XX, a da luta pelos direitos civis e pela igualdade entre todas as pessoas, de todas as raças, credos e cores.

  • Mandela – o africano de todas as cores

Por Aliança Serres, Zaü

Sinopse: Símbolo de coragem e paz para toda a humanidade, Nelson Mandela liderou a resistência contra décadas de apartheid na África do Sul e é amado e admirado no mundo inteiro. Depois de 27 anos na prisão, reconquistou, enfim, a liberdade e, em 1994, foi eleito o primeiro presidente negro de seu país. Com um texto emocionante de Alain Serres e belas ilustrações de Zaü, o livro apresenta a história desse grande homem, cuja luta a favor da união dos povos de todas as cores é fonte permanente de inspiração. A obra, que integra o catálogo da Pequena Zahar, conta ainda com a seção “Para compreender melhor”, em que o leitor encontrará material de pesquisa que inclui palavras-chave, fotos, um mapa e a cronologia da vida de Mandela.

  • Rapunzel e o Quibungo

Por Cristina Agostinho e Ronaldo Simões Coelho

Sinopse: “Era uma vez uma linda princesa…”, “Era uma vez um príncipe encantado que vivia num lindo castelo…”. Assim começa a maioria dos contos de fadas clássicos, que alimentam a fantasia infantil geração após geração. Porém, pelo fato de seus criadores serem europeus, desde as suas primeiras publicações no Brasil, estabeleceu-se o pressuposto dos personagens brancos. Já nas capas e ilustrações, que constituem o primeiro elemento de aproximação entre a criança e o livro, entrevemos a entrada num universo que privilegia esse segmento étnico e, a partir daí, as próprias escolas que adotam esses livros integram e perpetuam essa preponderância, que afeta diretamente a autoestima das crianças não brancas. Mas… e se Perrault, Andersen e Grimm tivessem nascido no Brasil? Como seriam os seus contos? É sob essa perspectiva que Ronaldo Simões Coelho e Cristina Agostinho, com sua larga vivência na literatura infantil, recontam essas histórias, ambientando-as nas diversas regiões do nosso país, transformando personagens que nada têm de brasileiros em seres com nosso rosto e nossa pele, enfrentando monstros e bruxas do nosso imaginário cultural. Ler os livros desta coleção é reimaginar a fantasia dentro da fantasia, sem perder o encantamento da tradição.

  • As lendas de Dandara

Por Jarid Arraes

Sinopse: As lendas de Dandara é um livro que mistura ficção, história e um toque de fantasia,  em que são narrados dez contos sobre a guerreira quilombola Dandara dos Palmares, companheira de Zumbi dos Palmares. Escrito por Jarid Arraes e ilustrado por Aline Valek, o livro conta a vida de Dandara desde o seu nascimento, explicando sua origem, suas conquistas e suas lutas.

Embora seja voltado para o público adulto e adolescente, As lendas de Dandara oferece um material inédito para os jovens e pode ser lido para crianças com a mediação de um adulto responsável, por tratar de temas de violência como o tráfico humano e a escravidão.

 

Referências:

Geledés

Huffpost Brasil