Blog Notícias

ITTC e Fundação Pedro Jorge realizam segunda edição do projeto Futuro Bordado

ago 15, 2019 ittc

As oficinas aconteceram entre os dias 29 de julho e 1 de agosto. Além das mulheres atendidas pelo ITTC no projeto Migrantes Egressas, a oficina também atendeu mulheres no CPP Butantã.

A segunda edição em São Paulo do projeto Futuro Bordado contou com oficinas no Centro de Progressão Penitenciária (CPP) Feminino do Butantã e no Matilha Cultural. Foram dois dias de atividades em cada local com o objetivo de ensinar às mulheres o processo de reciclagem de papel e o bordado, para gerarem renda e criarem autonomia.

Nos dias 29 e 30 de julho, a oficina no CPP Butantã contou com a participação de 16 mulheres brasileiras e 4 migrantes. O grupo foi dividido em dois e as oficineiras de cada técnica coordenaram as atividades, além do processo de reciclagem de papel, as mulheres também aprenderam técnicas de cartonagem na decoração de caixas de papelão. Ao final, todas receberam um certificado de 12 horas, que poderá contar como horas para remição de pena.

Assim como na primeira edição do projeto em São Paulo, a oficina também foi direcionada para as mulheres atendidas pelo Projeto Migrantes Egressas. Nos dias 31 de julho e 1 de agosto, participaram da oficina cerca de 19 mulheres que aprenderam os pontos iniciais do bordado e a confeccionar um porta-retrato com papel reciclado. As atividades aconteceram no Matilha Cultural.

O Projeto Futuro Bordado faz parte do projeto Reciclo, ambos desenvolvidos pela Fundação Pedro Jorge. As oficinas já são realizadas com mulheres em cumprimento de pena dentro de unidades prisionais de outros estados. Além das mulheres em conflito com a lei, o projeto também atua em comunidades do Distrito Federal e de Goiás para promover a inclusão social e fomentar a produção sustentável.

Nestas duas edições em São Paulo, que contaram com o apoio do ITTC, as oficinas buscaram estimular a autovalorização das mulheres em conflito com a lei e a inserção em um novo mercado de trabalho, devido à dificuldade que elas têm na reinserção no âmbito profissional.

Confira a cobertura da primeira edição do projeto Futuro Bordado em São Paulo.